in

AmeiAmei

Do Cativeiro à Liberdade: Mudando a Vida de Elefantes Explorados pela Indústria Entretenimento

Carol conta sua experiência ao visitar um santuário de elefantes no Mato Grosso, quando foi nomeada madrinha das duas primeiras residentes da Reserva.

Capturados da natureza pra servirem à indústria do entretenimento. Essa é a realidade de, aproximadamente, 30 mil elefantes ao redor do mundo. São mantidos em cativeiro pelas mais diferentes modalidades de entretenimento: circos, shows, passeios turísticos.

Maia e Guida eram parte dessa estatística. Vieram da Ásia para o Brasil na década de 1960 e trabalharam em um circo por cerca de 40 anos. Até chegarem, finalmente, ao Santuário de Elefantes Brasil.

– In captivity, they can’t find their own space.  

A frase é de Scott Blais, que eu poderia chamar de presidente do Global Sanctuary for Elephants, ou cofundador do The Elephant Sanctuary in Tennessee, ou um dos responsáveis pelo desenvolvimento do Santuário de Elefantes do Brasil, ou de mais outros tantos títulos chiques que ele acumula ao longo de seus mais de 20 anos de experiência com elefantes.

@cachorracarol

Mas seria uma injustiça. Scott está além disso. Ele é daquelas pessoas que estão num estágio de evolução que a gente nem sabe se vai alcançar nesta vida.  

Scott me recebeu no Santuário com carinho, paciência e regras: lá estão Maia e Guida. Não fazemos nada que chame a atenção delas. Estamos na casa delas, não na nossa.

E assim foi. Guida se aproximou por vontade própria. Veio recolher alguns galhos de palmeiras, dos quais retirava delicadamente as folhas do caule com a tromba. Pode acreditar: Guida é a delicadeza em forma de elefante.

Scott explicou que é uma forte característica dos asiáticos – diferentemente dos elefantes africanos, que são mais robustos e passionais. Maia também é asiática, mas tem uma patinha lá no outro continente. É vida louca: jogar terra na cabeça, se molhar inteira ou tomar um banho de lama é com ela mesmo.

Tempo depois, as duas me olharam por alguns minutos e seguiram pra dentro da mata, livres pra ser quem elas nasceram pra ser: elefantes.

Dez metros. Foi o mais perto que pude chegar. Até tentei dizer pro Scott “Oh my God, I’m an african elephant!”. Mas ele não caiu na minha. E eu seria uma hipócrita se dissesse que não dá vontade de sair correndo e abraçar as duas.

Entretanto, onde há respeito genuíno pelos animais, nada se trata da gente. Tudo se trata deles.  

  • Eles não estão lá pra abraçar você.  
  • Eles não estão lá pra tirar fotos com você.  
  • Eles não estão lá pra divertir você.  
  • Não é nada sobre você. É tudo sobre eles.  

Quando a gente passa por uma experiência assim, vive na prática a teoria de que não há doação sem renúncia. E entender isso é o primeiro passo pra tentar arrumar a bagunça que nós, seres humanos, fizemos na vida desses animais.

Leia também o artigo sobre Por que não é legal nadar com golfinhos?

O que você achou??

1 point
Upvote Downvote
Carol Zerbato

Escrito por Carol Zerbato

Publicitária e ativista pelos direitos dos animais, Carol Zerbato já trabalhou com televisão e comunicação corporativa; foi locutora e repórter; e atuou como redatora e revisora. É criadora da Cachorra Carol - histórias em quadrinhos que retratam as relações humanos através do olhar de uma vira-lata, a fim de conscientizar a sociedade sobre a causa animal - e mãe de três filhos: Rachel, a mais velha, uma labralata; Deloris, a do meio, uma gata vira-lata adotada já adulta; e Ben, o caçula, um humano.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 comments

8 Tendências de Moda Pet para 2019

Espirro Reverso: O Que É Isso?