Por Que Não É Legal Interagir com Animais Selvagens

in ,

Orca que fala, beijo de golfinho, elefante pintor: a crueldade nos bastidores da indústria do entretenimento com animais selvagens.

“Meena é um dos dez elefantes do Maetaman. Para ser exata, ela é pintora. Duas vezes por dia, diante de multidões de visitantes tagarelas, Kongkhaw põe um pincel na ponta da tromba de Meena e pressiona sua face com um prego de aço para direcionar as pinceladas enquanto ela arrasta cores primárias pelo papel. As pinturas são vendidas a turistas”.

Por Que Não É Legal Interagir com Animais Selvagens

Foto: Kirsten Luce

O trecho é de uma matéria reveladora publicada pela National Geographic Brasil em junho de 2019 e Meena é uma prova viva e dolorosa de que a indústria do entretenimento com animais selvagens não explora só animais selvagens.

Porque o segmento é metodicamente estruturado para que você, seus amigos, sua família, e até seus influenciadores digitais acreditem que o passeio também é divertido para os animais.

A empresa proprietária de Meena, por exemplo, tem até uma outra atração, cujo conceito é “onde os elefantes estão em boas mãos”, incansavelmente elogiada por turistas por poderem ver os
animais livres.

Texto relacionado: Orcas em Cativeiro: Mães que Não Podem Ser Mães

O que ninguém sabe é que os elefantes “livres” são os mesmos da atração pela qual Meena é explorada – são apenas deslocados durante o dia para outro papel. As duas marcas são da mesma empresa.

P.T. Barnum, o precursor do showbiz que inventou o circo com animais no modelo de negócio que conhecemos hoje e sobre quem discuto no livro Ativismo Consciente, depois de empalhar um elefante morto e continuar apresentando-o ao público como se estivesse vivo, teria dito ao então arqueólogo George Hull:

“Nasce um trouxa a cada minuto.”

A melhor maneira de provarmos que ele estava errado é não nos comportarmos como tal.

Qual a sua opinião em relação a interação de humanos com animais selvagens? Deixa aqui embaixo nos comentários!

Carol Zerbato

Escrito por Carol Zerbato

Publicitária e ativista pelos direitos dos animais, Carol Zerbato já trabalhou com televisão e comunicação corporativa; foi locutora e repórter; e atuou como redatora e revisora. É criadora da Cachorra Carol - histórias em quadrinhos que retratam as relações humanos através do olhar de uma vira-lata, a fim de conscientizar a sociedade sobre a causa animal - e mãe de três filhos: Rachel, a mais velha, uma labralata; Deloris, a do meio, uma gata vira-lata adotada já adulta; e Ben, o caçula, um humano.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 comments

Mais artigos como este:

A Estrelinha Lucy

Como Escolher a Melhor Raça de Cachorro Para Você