A Máfia dos Tigres: A Exploração Além do Óbvio

in

Uma das maiores audiências da Netflix, a série não explica, mas expõe tudo que há de errado no cativeiro de felinos selvagens; até o que parece certo

O óbvio é a verdade mais difícil de se enxergar. A afirmação é da escritora e jornalista Clarice Lispector e reflete perfeitamente a minha expectativa em relação ao documentário A Máfia dos Tigres – minissérie da Netflix, lançada em março deste ano, que, sob o comportamento narcisista, a obsessão pela fama e as incoerências de seus protagonistas, retrata a exploração de felinos selvagens pela indústria do entretenimento americana.

A Máfia dos Tigres: A Exploração Além do Óbvio

O foco da produção é a rivalidade entre Joe Maldonado-Passage, popularmente conhecido como Joe Exotic e dono de um zoológico particular com mais de 200 grandes felinos, e Carole Baskin, protetora da espécie, que resgata e abriga animais no que a série e a própria assemelham a um santuário.

Reprodução: Netflix

E, apesar de ambos estarem cercados de uma história mais surreal que a outra, das desgraças pessoais que assombram a vida de cada um e da necessidade incontrolável dos dois de se tornarem o centro das atenções, o suposto santuário foi o que mais me incomodou.

Pode ser que minha percepção nem seja unanimidade entre os defensores dos direitos dos animais, mas foi o que, ao longo da minha jornada como ativista, aprendi – e o que faz mais sentido para mim: a partir do momento em que você cobra ingresso e expõe os animais ao público como um produto, mesmo que sob prováveis boas intenções, você os coloca na mesma situação da qual os resgatou. E é o que Carole faz.

Ah, mas como manter um santuário sem a receita da visitação? Existem inúmeros meios: doações, parcerias com pessoas jurídicas, souvenirs que podem ser vendidos on-line, entre outros recursos que angariam fundos.

No caso de Baskin, ao que é indicado pelo próprio documentário, parte do sustento da organização provém da herança milionária de seu finado marido e do apoio de instituições maiores.

Lembro como se fosse hoje: dez metros. Foi o mais perto que pude chegar dos animais durante minha visita ao Santuário de Elefantes Brasil, localizado na Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso – espaço que só pude conhecer por ser uma das madrinhas da campanha de arrecadação de fundos para trazer à liberdade Maia e Guida, as primeiras residentes.

Fui recebida pelos responsáveis com regras claras e firmes: amenize o tom de voz e não faça nada para chamar a atenção delas; estamos na casa delas, não na nossa.

Não costumo ser leviana e geralmente só escrevo sobre o que tenho oportunidade de conhecer de perto – ou de, no mínimo, apurar diretamente as dúvidas que me sobressaltam. Por isso, não seria correto, nem de bom tom, nem de bom coração julgar o trabalho de Baskin. Mas vale a reflexão.

Afinal, quando um animal segue para um santuário, a vida dele deve ser o mais parecida com a que ele deveria ter tido. E isso não inclui a nossa aproximação, tampouco nossas visitas, carinhos ou selfies.

Texto relacionado: O Comércio de Animais Silvestres e a Covid-19

Você assistiu à minissérie? O que achou? Deixa sua opinião aqui embaixo pra gente!

Carol Zerbato

Escrito por Carol Zerbato

Publicitária e ativista pelos direitos dos animais, Carol Zerbato já trabalhou com televisão e comunicação corporativa; foi locutora e repórter; e atuou como redatora e revisora. É criadora da Cachorra Carol - histórias em quadrinhos que retratam as relações humanos através do olhar de uma vira-lata, a fim de conscientizar a sociedade sobre a causa animal - e mãe de três filhos: Rachel, a mais velha, uma labralata; Deloris, a do meio, uma gata vira-lata adotada já adulta; e Ben, o caçula, um humano.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 comments

Mais artigos como este:

Curiosidades Sobre os Bigodes dos Cães

Como Evitar Briga de Cachorro Durante o Passeio