Fluidoterapia Não Precisa Ser Pavor dos Gatos Renais

in

A fluidoterapia não precisa ser pavor aos gatos renais. Confira neste artigo muitas dicas para não tornar a fluidoterapia um trauma para seu bichano.

Gatos com problemas renais: dicas para não tornar a fluidoterapia um trauma para seu bichano.

Um dos pontos chave do tratamento do gato com insuficiência renal crônica é a fluidoterapia.

Muitos pets com esse problema recebem a recomendação do médico veterinário para fazer soro regularmente, em intervalo de tempo determinado conforme cada caso.

Fluidoterapia Não Precisa Ser Pavor dos Gatos Renais

O objetivo é repor a hidratação, equilíbrio de eletrólitos e diminuir a concentração de substâncias nocivas no organismo.

O soro pode ser aplicado em casa, desde que o veterinário assim oriente.

Na minha opinião, as vantagens são basicamente a diminuição do stress, já que não é preciso levar o animal ao veterinário seguidamente, praticidade e economia, porque sai muito menos caro.

O Pluto teve a recomendação de fazer diariamente no início e depois uma vez a cada dois dias.

Os veterinários me encorajaram e me ensinaram  e a primeira aplicação, claro, foi sob supervisão.

A questão é que eu moro sozinha e segurar o gato, espetar a agulha e aplicar o soro era bastante desafiador, além do desafio maior de saber como mexer naqueles apetrechos estranhos: equipo, agulha, tubo de soro….

Fluidoterapia
Pluto. Foto: Pedro Quintana

Uma coisa que aprendi com a série “Meu Gato Endiabrado” (com o Jakson Galaxy do Animal Planet) é que todo gato tem um “botão mágico”.

Paciência é a palavra

Paciência (muuuuita paciência), carinho e talvez alguma coisinha gostosa para ele comer ajudam bastante.

É preciso fazer associações positivas.

Sempre que o gato faz soro, coisas boas acontecem e isso é legal começar desde o início.

Hoje, a parte mais tranquila de tudo é o soro.

O Pluto é bastante colaborativo e até ronrona durante a aplicação.

Mas no começo ele tentava fugir, miava e rosnava um pouco.

Então, o prendia na janela pela peiteira, para ficar com as duas mãos livres. Aos poucos, foi acostumando e percebi que solto, sem coleira, ficava mais tranquilo.

Escolhi a janela, porque é um lugar que ele gosta e fica mais distraído.

Tentei em outros lugares, para segurá-lo, mas a janela sempre foi a melhor opção.

As coisas ficaram nesse nível de serenidade quando comecei a associar o momento a coisas que ele gosta.

A escova é a minha melhor amiga – chamo de escovaterapia.

Converso, faço carinho e elogio. Primeiro monto tudo, depois levo o gato e trato de deixá-lo tranquilo, com carinho e escova.

No início, fazia isso com o equipo na mão, porém sem espetar.

Equipo = carinho, escova e atenção a ele.

Uma regra básica para mim é só iniciar o procedimento quando o Pluto está totalmente tranquilo e percebo que faz toda a diferença.

Deixo o abre e fecha do equipo perto da agulha para dar mobilidade e, assim que espeto, abro o soro e retomo o carinho ou escova rapidão.

Chegamos num nível em que nem preciso segurá-lo. Às vezes, fica sentadinho olhando para a rua enquanto recebe o soro.

Dicas importantíssimas:

Mas, indo às dicas práticas, uma lista de sugestões que eu dou, com base na minha experiência:

  • Faça as primeiras aplicações sob supervisão do veterinário. O procedimento é simples, mas, para quem não é da área, é preciso ter bastante segurança para que nada dê errado. A segurança do animal está em primeiro lugar
  • Encontre o lugar ideal para o gato, onde ele se sinta confortável. Isso faz toda diferença e ajuda a criar as associações positivas. No meu caso, escolhemos a janela. Ele fica distraído, olhando para a rua
  • Acostume-o a ver os apetrechos de soro como algo legal (sem ainda espetar). Associações positivas… Descubra o “botão mágico”: pode ser a escova, carinho, uma comida que ele goste bastante
  • Não tenha pressa e controle a ansiedade. O gato percebe que algo estranho está acontecendo. Então, a dica é esperar o bichano ficar confortável e então iniciar o procedimento

Confira também a possibilidade de usar Catnip ou Feliway, um feromônio sintético que é indicado para dar segurança e tranquilidade aos gatos.

No grupo “gatos com Insuficiência renal”, é comum ouvir relatos de tutores que simplesmente não conseguem ou deixam de conseguir fazer a aplicação depois de um tempo.

Entretanto, se o veterinário indica a fluidoterapia, ela será fundamental para a qualidade de vida do gato e para desacelerar a evolução da doença.

Cada caso, é um caso.

Então, converse com o veterinário longamente sobre o assunto, peça dicas e invista bastante em detalhes que deixem o gato tranquilo.

Conosco, funciona super bem!

Acompanhe o grupo sobre gatos com insuficiência renal no Facebook

Seu gatinho já precisou realizar fluidoterapia em casa? Como foi a experiência? Conta pra gente nos comentários.

Escrito por Rochele Prass

Rochele Prass é especialista em marketing digital e jornalista. Apaixonada por gatos desde criança, criou o projeto Insuficiência Renal Felina (https://www.facebook.com/groups/InsuficienciaRenalFelina/) em novembro de 2013, quando descobriu que um dos seus felinos estava com a doença. O objetivo é unir a paixão por gatos e proporcionar o compartilhamento de informações que ajudem gatos com Insuficiência Renal (e seus tutores) a terem melhor qualidade de vida. Neste espaço, irá compartilhar experiências do dia a dia com a doença, além de artigos e matérias sobre IRC.

Comentários

Leave a Reply
  1. Rochele, comecei esta semana a aplicar soro na minha gatinha. Os 2 primeiros dias foram perfeitos. Mas agora, vira e mexe fica vazando, e tenho de espetá-la de novo pra dar certo… Alguma dica? O que estou fazendo errado?

  2. Oi, meu gato começou a fazer a fluidoterapia tem uns cinco dias, geralmente é minha mãe quem faz a aplicação. Hoje especialmente fiquei encarregada de segurá-lo mas quando foi espetado ele se agitou demais e fugiu com a agulha dentro (nas costas, um pouco abaixo das omoplatas), que saiu uns dois segundos depois dele correr. Agora ele está deitado quietinho, e percebi que manca um pouco nas patinhas da frente. Minha mãe está desesperada de que a agulha tenha entrado na coluna, mas ela estava livre e não tinha nada a pressionando até que saiu… Acha que pode ter perfurado algo, mesmo? Estou aterrorizada..

    • Oii Lari, primeiro fique calma! Esperamos que fique tudo bem com seu pequeno. Recomendamos que procure o veterinário dele e converse sobre esses sinais que relatou.

  3. Ola! Não tem jeito da minha gata comer 😔ja fiz de tudo !ja estou ficando desesperada e com medo.Ela ja ta em tratamento em casa toma medicação gerioox, e dois remedois manipulados ,e faz fluidoterapia até ai ta de boa mas ela não tem geito de comer, ja troquei muitos alimentos e nada ,ja ficou duas semana no soro no veterinário ,.eu presiso de dicas de alimento para renal crônica obrigado.

    • Eu estou com o.mesmo problema. Minha gata emagrece a olhos vistos. Estou alimentando ela com pasta de AD faz uma semana. Ela não se anima de comer sozinha.

    • Para o meu que não quer comer eu dou sachê como se fosse comprimido: enfio lá na garganta e faço engolir. Por enquanto tem dado certo e é o que tem mantido ele mais fortinho

    • A minha também não quer comer maa eu bati no liquidificador pedaços de frango água e a reação especial para renal. Deixei molinha e dou com uma seringa grande. Cerfs de 10ml umas 4x ao dia e também estou dando água com a seringa tb. Várias vezes ao dia. Rezo pra ela sarar. Além de dar o soro.

  4. Boa tarde, hj levei meu gatinho no veterinário, ele esta com crise renal aguda vem fazendo fluidoterapia 15 dias e hj fomos colher novamente o sangue dele. A dra falou pra eu comprar atum de latinha mas n pode ser em óleo tem que ser na água e dar pra ele porque ele so toma agua de coco na seringa, ele simplismente n quer mais tomar agua, nem.comer sache so.co.e ração dura, se alguem tiver dicas de como fazer pra ele voltar a tomar agua me ajudem, la em.casa tem.fonte e potes espalhados de água

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 comments

Mais artigos como este:

Guia para donos de filhote de primeira viagem

Os cães podem detectar nossas emoções