Adoção Especial: Ora, Todos Temos Necessidades Especiais

in ,

A adoção especial não deve ser tratada como um tabu, afinal, todos temos necessidades especiais. Veja aqui uma experiência e algumas dicas:

Eu mesma já me flagrei adjetivando a adoção de animais idosos ou com alguma deficiência como “especial”.

Mas, pare para pensar: todos nós temos necessidades especiais e peculiares.

Uma das minhas primeiras experiências na publicidade não foi no segmento pet.

Foi em um Instituto carioca, que trabalha arduamente até hoje pela inclusão social de pessoas com Síndrome de Down, sob o conceito Ser diferente é normal

Adoção Especial: Ora, Todos Temos Necessidades Especiais

A frase não só me marcou na época, como me acompanha até hoje. E cabe perfeitamente na adoção de animais considerados especiais.

O que ficou muito mais claro ainda para mim quando conheci a Mocinha, uma vira-lata adotada por um casal de amigos quando estava prestes a ser sacrificada. 

Um ano após sua chegada, uma misteriosa doença degenerativa se manifestou.

Aos poucos, Mocinha foi perdendo os movimentos das patas dianteiras e, logo depois, das traseiras.

A tetraplegia poderia levar à eutanásia. Mas, para os tutores da Mocinha, nunca foi uma opção.

Ela viveu bem e muito mais tempo do que qualquer um acreditava ser possível viver. E se tornou um exemplo na luta pelos direitos dos animais com deficiência. 

Cuidar de um animal considerado especial exige as mesmas adaptações que a vida nos exige o tempo todo.

Isso inclui: responsabilidade, comprometimento e paciência para lidar com as adversidades, as mudanças, as surpresas.

Claro que não devemos minimizar a importância da decisão em adotar um animal que vai precisar, sim, e muito, do nosso tempo e dedicação.

Mas também não devemos tratar tal adversidade como um problema maior do que realmente é. 

Adaptações

Se estiver disposto a dar uma segunda chance para um animal considerado especial, existem meios de tornar o processo de adaptação mais fácil para ele e para a família.

Por isso, procure saber:

  • Em caso de deficiência, descubra se é progressiva ou já está consolidada;
  • Em caso de idade avançada, tenha em mente que acontecerá com o animal o mesmo que acontece aos seres humanos: quanto mais velhos ficamos, mais cuidados precisamos;
  • Avalie as mudanças que você precisará fazer na sua rotina, como tempo extra para passear ou ajustes na casa;
  • Como: realocar móveis e objetos no caso de animais com deficiência visual, por exemplo.

No entanto, por mais que você se baseie em motivos racionais, acredite: não há nada que sustentará mais a sua decisão do que o amor. 

E lembre-se: ser diferente é normal. <3

Que tal agora saber um pouco mais sobre Por Que Adotar um Animal Adulto?

Você já adotou um pet? Um pet especial? Conte para gente sua história.

 

Carol Zerbato

Escrito por Carol Zerbato

Publicitária e ativista pelos direitos dos animais, Carol Zerbato já trabalhou com televisão e comunicação corporativa; foi locutora e repórter; e atuou como redatora e revisora. É criadora da Cachorra Carol - histórias em quadrinhos que retratam as relações humanos através do olhar de uma vira-lata, a fim de conscientizar a sociedade sobre a causa animal - e mãe de três filhos: Rachel, a mais velha, uma labralata; Deloris, a do meio, uma gata vira-lata adotada já adulta; e Ben, o caçula, um humano.

Comentários

Leave a Reply
  1. Eu tenho 4 pets, a Mel, a Meg a Miney e o Sid, há 4 anos a Mel (13 anos) teve 2 hernias de disco, na qual foi diagnosticada como irreversivel, rompimento da medula em duas vertebras, nos vimos numa situação desesperadora, sofremos muito, mas fizemos tudo que estava ao nosso alcance para que ela tivesse uma vida normal dentro das suas necessidades especiais, hoje ela usa cadeira de rodas, usa fraldas sempre. E a 1 ano dscobrimos uma diabetes, faz uso de insulina 1 vez por dia. E há 1 ano a minha outra cachorrinha Meg (14 anos) apresentou o mesmo quadro de hernia de disco, perdendo os movimentos das perninhas mas tem suas funções fisiologicas normais, mas precisa de ajuda pra se locomover, então tenho 2 idosas com necessidades prá de especias, e me dedico 24 horas pra elas, é muito amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 comments

Mais artigos como este:

Displasia Coxofemoral: O Que É? E como Tratar?

Akita Inu É Bravo?