Tyke: A Elefante que se Tornou Símbolo do Sofrimento de Animais Circenses

in

Saiba mais sobre a história de Tyke!

Documentário disponível na Netflix conta a trágica história da elefante que se tornou símbolo dos abusos físicos e psicológicos sofridos por animais selvagens explorados por circos.

Pulei algumas cenas. 

Não consegui assistir ao documentário inteiro sobre Tyke – elefanta africana capturada da natureza em 1973, em Moçambique, e enviada aos Estados Unidos, onde foi treinada pra performar em circos. 

Vinte anos de correntes, abusos físicos e psicológicos, e inúmeros maus-tratos depois, Tyke mata seu treinador no picadeiro, foge pro centro da cidade de Honolulu e é assassinada pela polícia. 

Não consegui ver a parte em que ela é acometida por 87 tiros – no corpo, na cabeça e até nos olhos. 

Também não consegui assistir à parte em que o dono do guindaste resgata seu corpo majestoso, imóvel e ridicularizado numa fantasia, e descreve a lágrima nos olhos dela. 

Tampouco fui capaz de ver os vídeos internos da companhia responsável pelos elefantes, que denunciam os espancamentos, as afrontas psicológicas e os animais presos em correntes 22 horas por dia. 

E os abusos da indústria não eram direcionados só aos animais. 

O machismo predominante no segmento é explícito no depoimento da única mulher que fazia parte da equipe, de quem o último treinador de Tyke caçoou quando ela disse que não deveria levar a elefanta pros shows. Ele riu e inspirou um “eu sou macho, eu dou conta” – a propósito, foi ele quem Tyke matou. 

Desde a tragédia, mais de 20 países e 300 regiões proibiram o uso de animais selvagens em espetáculos circenses no mundo. 

Hoje, de acordo com a World Animal Protection, “as atrações turísticas que oferecem interações com animais silvestres ainda são responsáveis por quase 40% de todo o turismo global. Muitas delas dependem da manutenção desses animais em cativeiro para serem manuseados, usados como acessórios para fotos, montados ou explorados em shows”. 

A trágica história de Tyke na década de 1990 somada aos dados que ainda amargamos em 2020 comprovam mais do que nunca que a única coisa que pode mudar a triste e cruel realidade desses animais é a nossa consciência. 

Leia também: Pela Liberdade de Bambi: a Luta para Transferir a Elefanta de 50 Anos para Santuário

Carol Zerbato

Escrito por Carol Zerbato

Publicitária e ativista pelos direitos dos animais, Carol Zerbato já trabalhou com televisão e comunicação corporativa; foi locutora e repórter; e atuou como redatora e revisora. É criadora da Cachorra Carol - histórias em quadrinhos que retratam as relações humanos através do olhar de uma vira-lata, a fim de conscientizar a sociedade sobre a causa animal - e mãe de três filhos: Rachel, a mais velha, uma labralata; Deloris, a do meio, uma gata vira-lata adotada já adulta; e Ben, o caçula, um humano.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 comments

Mais artigos como este:

Cuidados com Cachorro no Inverno: Cuide dos Peludos no Frio!

Coleira Martingale: As 10 Perguntas Mais Comuns Entre Donos de Cachorro