Não Cometa Esses 7 Erros Quando For Passear com seu Cachorro

in

Em busca de um passeio tranquilo ao lado do seu amigão? Então, confira essas 7 dicas para quando for passear com seu cachorro.

Você gostaria de ver seu cachorro passeando ao seu lado, sem puxar? Claro que gostaria!

É muito legal quando vemos um dono caminhando com seu cão em perfeita sintonia não é mesmo?

Porém, é bem provável que essa não seja sua realidade, ou você não estaria lendo esse artigo.

Não se preocupe. Esse artigo servirá como um super guia para você saber como ensinar seu cão a andar educadamente na coleira.

Inclusive, você poderá usar os exatos passos que utilizo na hora de ensinar um cachorro. Voltarei a esse assunto em um minuto, mas antes…

Você precisa entender alguns erros comuns que podem matar suas tentativas. E talvez seja isso que esteja impedindo o passeio perfeito com seu cão.

Pronto para vencer esses obstáculos e dominar os passeios com seu cachorro?

Imagem: Justin Veenema on Unsplash

Não Cometa Esses 7 Erros Quando Você Estiver Passeando com seu Cachorro

Continue lendo esse artigo para evitar esses erros:

Índice de conteúdo

  1. 15 minutos é mais que suficiente
  2. As condições não importam
  3. Professor com déficit de atenção
  4. Crise de pânico rumo ao Everest
  5. Qualquer arma servirá nessa batalha
  6. Apostando tudo no plano B
  7. Mirando o alvo errado
  8. Nosso presente

#1. Por que 15 minutos não são suficientes

Alguns cães precisam de mais exercício que outros, mas no geral eu diria que todos os cães necessitam de pelo menos duas horas diárias entre exercícios físicos, mentais, ar fresco e contato com outras pessoas e animais.

É isso que os fazem felizes e satisfeitos o suficiente para relaxarem, dando a você um cão cansado que precisará dormir para recarregar as baterias.

É quando você encontrará a paz desejada para responder seus e-mails, jantar com sua família ou assistir um filme sem ter um furação correndo pela casa e demandando constante atenção.

Pouca gente sabe disso, mas a falta desses estímulos é o grande responsável por um desequilíbrio que gera com o tempo a maioria dos problemas comportamentais em cães que vivem nas cidades.

Portanto, se o seu cachorro apresenta problemas de comportamento, ansiedade ou hiperatividade, é provável que você não esteja drenando a energia dele como deve.

E pior, essa energia acumula, tornando cada tentativa de passeio mais desgastante. Afinal, será mais desafiador controlar um cão com energia de sobra para gastar.

Nossa dica: Se ele tem energia para dar e vender, tenha mais paciência nas primeiras tentativas de passeio. Cumpra a rotina diária e você verá que a energia dele baixará a cada tentativa, tornando a próxima mais fácil.

#2. As condições do passeio fazem diferença

Você sabia que seu cachorro possui uma audição 4 vezes maior que a sua? Isso quer dizer que ele é capaz de ouvir a uma distância 4 vezes maior.

Ao mesmo tempo, um Beagle possui 225 milhões de receptores olfativos, enquanto nós possuímos apenas 5 milhões.

Portanto a partir de hoje olhe para seu cão como um super herói ultra sensível a estímulos externos, capaz de perceber coisas que você jamais sonharia.

Por isso fique atento às condições do passeio para evitar ambientes super estimulantes (especialmente enquanto ele estiver aprendendo).

Começar o treinamento em um parque movimentado certamente dificulta o processo. Ele prestará atenção em tudo, menos em você e na atividade.

Se o espaço for suficiente, inicie o exercício em casa mesmo. Lá tudo é familiar e poucas coisas serão uma distração para ele.

Além disso, alguns cães inseguros desenvolvem uma aversão a ônibus, caminhões, pessoas uniformizadas, latas de lixo, cortadores de grama e outros animais.

Em um mundo ideal, é claro, você trabalhará com o seu cão para eliminar essas reações à medida que a confiança dele aumenta.

Enquanto isso, você pode minimizá-las evitando essas situações ou lidando calmamente quando elas ocorrerem.

Se você se preocupar com uma pessoa ou animal se aproximando, seu cão sentirá isso e possivelmente entrará no modo de alerta.

Você precisa se treinar para detectar a situação sem reagir a ela.

Avistou algo do tipo? Simplesmente mude de direção sem muito alarde. Desta forma, para o seu cão, você está simplesmente alterando a rota da caminhada.

Nossa dica: Escolha um horário e local com pouca (ou nenhuma) distração para os primeiros passeios. Depois aumente gradativamente para locais mais desafiadores, como se ele estivesse passando de fase em um jogo de videogame.

Imagem: Clem Onojeghuo on Unsplash

#3. Déficit de atenção pode ser um problema

Concentre-se na atividade junto com ele. Não é aconselhável que você fale ao telefone ou verifique suas mensagens de texto durante o passeio.

O passeio é um momento de conexão entre cão e dono. É uma atividade que, quando bem executada, gera mais respeito e confiança dele para você.

Além disso, nesse primeiro momento você também está aprendendo e desenvolvendo habilidades que permitirão um controle total do passeio em breve.

Com o tempo vocês dois serão craques, super confiantes, e saberão exatamente o que fazer e como se comportar.

Será quando o passeio deixará de ser um treinamento e passará a ser uma atividade de lazer.

Nossa dica: Acredite, seu cão perceberá que você não está atento e isso contribuirá para a insegurança dele. Livre-se das distrações e viva o momento.

#4. Controle suas crises de pânico

Imagine que você está na base do Everest, prestes a fazer a escalada mais perigosa de todas.

As condições climáticas não são boas, a subida é altamente desafiadora e você duvida das suas habilidades.

Você confiaria em um guia assustado e desequilibrado para levar vocês até o topo? Claro que não!

Lembre-se que cães são seres sensíveis. Através da coleira e guia eles percebem nosso estado de espírito e sentem nossa energia.

E a maneira mais rápida de colocar seu cão em estado de alerta é com uma tensão repentina.

Ou seja, se você entra em pânico seu cachorro fará o mesmo.

Por isso, mesmo que algo que naturalmente desperta medo nele se aproxime, assuma uma postura confiante, mude a rota naturalmente e aja como se tudo estivesse sob controle.

Nossa dica: Seja paciente e demonstre segurança mesmo nas situações mais adversas. Você é o guia do seu cão rumo ao topo do Everest, se você cair ele também cairá.

#5. Qualquer arma servirá nessa batalha

Só existem duas coisas entre seu cachorro e você durante o passeio: a coleira e guia.

Você tem escolhido essas aliadas sabiamente?

Sobre a coleira, você precisa de uma que ofereça segurança e conforto, mas que também permita redirecionar seu cão facilmente quando necessário.

Por redirecionar entenda que em determinados momentos você precisará lembrá-lo da rota a ser seguida durante o passeio.

É quando ele esquece o que aprendeu segundos atrás e repentinamente resolve cheirar aqui ou correr ali, e acaba arrastando você.

A coleira ideal deve permitir um redirecionamento preciso e ágil, sem comprometer o conforto e integridade do seu amigo.

Sobre a guia, você precisa de uma que ofereça segurança e permita um contato mais próximo.

Porque de nada adianta ter uma coleira que permite redirecionamentos rápidos, mas estar a metros de distância dele quando essa correção for necessária.

Quando você pensar em reagir, o momento passou e a oportunidade de ensiná-lo foi perdida.

É por isso que nós…

  1. Não recomendamos o uso de guias de comprimento variável para um cão que está aprendendo

Essas guias retráteis tem um propósito muito específico, elas foram originalmente projetadas para certos tipos de treinamento de rastreamento e recuperação com cães.

Se você não sabe o que é isso, então você não tem motivos para possuir uma guia retrátil. Elas apenas ensinam o seu cão a coisa errada: que se puxar ele obterá o que deseja – neste caso, a liberdade de correr por todo o lugar.

O que você deseja é o oposto, incentivar seu cachorro a caminhar ao seu lado, sem puxar. Ele passeia com você, e não o contrário.

  1. Não recomendamos o uso de peitorais para um cão que está aprendendo

Os peitorais foram desenvolvidos para cães que puxam cargas. Se o seu cachorro não é disciplinado, provavelmente essa não é uma boa estratégia.

O peitoral dificulta o redirecionamento e passa a mensagem de que ele deve puxar o que vem atrás (nesse caso, você).

O seu cão é forte? O problema pode ser pior. Existem inúmeros casos de deslocamento de ombro em cães que puxam muito e utilizam peitoral.

Opte por uma coleira confortável tradicional ou, se quiser mais controle, um colar Martingale.

@estiloruffruff

Lembre-se, nesse momento ele está sendo reabilitado para em breve passear ao seu lado sem esforço.

Atingindo esse objetivo você poderá usar a coleira que bem entender, desde que seja sempre segura e confortável.

Nossa dica: Coleira e guia devem potencializar seu controle durante o passeio (especialmente nessa fase inicial). Escolha sabiamente um conjunto seguro e confiável que contribua com seu objetivo.

#6. Apostando tudo no plano B

Sejamos práticos. Se você precisa drenar a energia do seu cachorro, existem outras maneiras de atingir esse objetivo sem passar por todo esse trabalho.

Afinal sua vida é corrida e, entre inúmeras obrigações, é muito difícil dispor de tempo suficiente para passear com seu cão.

Além disso a ideia de começar do zero e ter que ensiná-lo a passear já cansa antes mesmo de começar. Você tem mais o que fazer, não é mesmo?

Com esse pensamento o negócio de Dog Walker e Creche tem crescido exponencialmente no Brasil.

Imagem: Matt Nelson on Unsplash

A ideia é trazer praticidade aos donos que não conseguem, através dos passeios, suprir a necessidade diária de exercícios dos seus cães.

É na verdade uma correção de rota para aqueles que não se planejaram bem antes de adquirir um cachorro.

Porque o primeiro passo antes de escolher um cão deve ser verificar se você dispõe de tempo suficiente para dar a ele o que é preciso.

Mas não me leve a mal, contratar um Dog Walker ou uma Creche pode ser uma excelente ideia. Desde que você não aposte todas as fichas nesse plano.

Eles devem servir como uma válvula de escape para aqueles dias imprevisíveis onde algo dá errado e você falhará no compromisso diário com seu cão.

Para não falhar com seu dever de dono, aí sim você chama seu Dog Walker favorito, ou deixa seu amigo de quatro patas em uma Creche confiável.

O contato entre cão e dono durante o passeio é fundamental para construir respeito e confiança.

Além disso, existem inúmeros casos de problemas comportamentais desenvolvidos por cães privados desse contato e criados em Creches.

Mas esse é tema para outro artigo…

Nossa dica: Inicie uma relação com um Dog Walker confiável (de preferência recomendado por alguém). Visite e avalie uma Creche que garanta a segurança do seu cão. Mas não divida responsabilidades, a educação começa em casa.

Texto Relacionado: Cuidados ao escolher um Pet Sitter ou Dog Walker

#7. Mirando o alvo errado

Em poucos segundos compartilharei com você os exatos passos que utilizo na hora de ensinar um cachorro a passear educadamente na coleira.

Mas antes é meu dever fazer um último alerta…

Ensinar seu cachorro a andar ao seu lado não é um mistério, é treino. Como um músculo, você também pode desenvolver essa habilidade, mas para isso precisa treinar. De preferência todos os dias.

Não estou dizendo que você precisa dedicar horas e mais horas, apenas que seu cachorro aprende por repetição. Portanto quanto mais repetições houverem, antes ele aprenderá.

Estou falando isso porque o método é simples, basta fazer e repetir.

Seu cachorro, além de não precisar de muito para aprender, possui um desejo natural de fazer a sua vontade.

Ele apenas não entendeu exatamente o que você deseja, e é isso que você precisa mostrar…

Por isso, caso o processo não dê certo, a culpa estará longe de ser dele. Em uma reabilitação, quem é treinado é o dono, não o cão.

É você quem precisa adquirir a habilidade necessária, imprimir o ritmo e ter determinação para atingir o objetivo.

O esforço vale a pena? Com certeza!

É muito melhor dedicar uma semana a treinamentos intensivos e viver com um cão educado por 15 anos, do que deixar as coisas como estão e passar 5.475 dias sendo puxado por um cachorro de 6, 12 ou 25 kg.

Você concorda?

#8. Como resolver: Divida o treinamento em passos altamente aplicáveis

Vou compartilhar com você a técnica que usei nos meus cães. Ela é simples e altamente aplicável mesmo por quem não tem experiência alguma com treinamento canino.

Para facilitar o entendimento, preparei um Infográfico ilustrado contendo uma técnica voltada para iniciantes, que quando repetida fará seu cachorro entender como você deseja que ele se comporte durante os passeios.

Nesse Infográfico eu basicamente seguro nas suas mãos, mostrando cada etapa a ser reforçada até que ele aprenda e você acabe de vez com os puxões durante as caminhadas.

A partir daí, começando dentro de casa ou na rua da frente, mantenha a consistência e persistência. A prática irá fazer com que você se torne cada vez melhor.

Com essas dicas você conquistará o controle do passeio e poderá aumentar a rotina de exercícios. E esse pode ser um ótimo começo para transformar seu cachorro em um cão mais feliz e equilibrado.

Clique aqui e baixe o Infográfico em alta resolução gratuitamente. 😉

Ruff Ruff

Escrito por Ruff Ruff

Em tudo o que fazemos nós acreditamos em desafiar o tradicional pensando o estilo de vida com nossos cães de forma diferente. Desafiamos o tradicional criando produtos muito bem projetados, feitos para durar e que proporcionam momentos especiais entre você e seu cão. Acabamos naturalmente fazendo produtos fora de série para cachorros, mas pensando no estilo dos donos. Quer conhecê-los?

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 comments

Mais artigos como este:

Como Socializar Chowchows com Temperamentos Diferentes em Casa

Uma História de Amor com Um Cãozinho